Sábado, 19 de Abril de 2014

Histórico do Turismo Religioso

Desde o Edito de Milão, em 313, Roma tornou-se o mais importante receptivo turístico no Ocidente, onde até hoje, há fluxo de maior volume e de maior constância de turistas e de visitantes do mundo inteiro.

Publicado em 25 de de 2009, às 9h6min |

Nos séculos III e IV da Era Cristã, os fiéis começaram a cultivar o hábito de viagens de caráter religioso a eremitérios, mosteiros e conventos da Síria, do Egito e de Belém, a fim de encontrar-se com os "servos de Deus", para pedir-lhes conselhos, orações, bênçãos e curas. Também foi o início da longa série de visitas a igrejas e santuários em cujos terrenos encontravam-se os restos mortais de mártires célebres e aos locais por onde Cristo, seus apóstolos e discípulos passaram, viveram e morreram, além de outros lugares celebrizados por eventos importantes do Antigo Testamento.
Há registro de um roteiro datado do ano 333, com itinerário bem detalhado para as viagens de devotos e fiéis que partiram de Bordéus, na França, rumo a Jerusalém. Suas indicações assemelham-se às utilizadas nos modernos roteiros técnicos.
Atualmente, a história se repete e multiplicam-se receptivos, à medida que surgem boatos ou fatos de aparições de seres celestiais ou de realizações de milagres e curas efetuados por algum religioso ou místico. As notícias, o marketing direto ou indireto e as ações de promotores e comerciantes instalados nas microrregiões ou nos locais onde acontecem os "feitos extraordinários" acionam os agentes turísticos, que em geral, se antecipam a qualquer medida ou manifestação de autoridades religiosas.

Vale notar que, desde o Edito de Milão, em 313, Roma tornou-se o mais importante receptivo turístico no Ocidente, onde até hoje, há fluxo de maior volume e de maior constância de turistas e de visitantes do mundo inteiro, independentemente dos aspectos religiosos.

Meca, Benarés, Jerusalém, Belém, Roma, Santiago de Compostela, Lourdes, Fátima, Medjugorie, Assis, Aparecida do Norte, Juazeiro, Iguape, Pirapora do Bom Jesus, Nova Trento e muitos outros lugares, marcados por devoções oficiais ou populares de religiões, são núcleos receptores importantes em termos da fé e, conseqüentemente, em termos de turismo, cujas dimensões - pela propaganda e pelo marketing - superam as manifestações de fé e as próprias motivações religiosas. 

Gostou do conteúdo?

Clique nas estrelas e dê seu voto

andre da silva souza

Postado às 13h44 01/05/2012

Gostaria de saber o nome do autor do texto! grato.

Ver Todas
Copyright © Turismo Religioso - Todos os direitos reservados